5G só deve começar a funcionar no Brasil em 2022, segundo ministro

maisCotações e Índices

Moedas - 21/01/2020 17:10:34
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,198
  • 4,198
  • Paralelo
  • 4,140
  • 4,390
  • Turismo
  • 4,040
  • 4,370
  • Euro
  • 4,660
  • 4,662
  • Iene
  • 0,038
  • 0,038
  • Franco
  • 4,336
  • 4,338
  • Libra
  • 5,480
  • 5,482
  • Ouro
  • 209,840
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 22/Janeiro/2020
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Mesmo com testes sendo realizados por empresas no país, a conexão 5G não deve chegar ao Brasil por enquanto. De acordo a uma previsão de Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a quinta geração de banda larga móvel só deve chegar por aqui no fim de 2021 ou começo de 2022.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo e UOL, o assunto foi debatido pelo ministro. Ao ser questionado sobre a chegada do 5G ao Brasil, o ministro não deu nenhuma data específica, mas disse apenas que ele deve ser lançado até o início de 2022. Recentemente, Pontes declarou que o Brasil não aceitaria a pressão dos EUA para limitar a participação da chinesa Huawei no leilão do 5G.

Atualmente, a maior dificuldade enfrentada pelos órgãos responsáveis é uma possível interferência na frequência de 3,5 GHz - que será usada para transmissão do 5G. Hoje, essa faixa é utilizada para transmissão de sinal de TV aberta para antenas parabólicas.

Por essa e outras razões, o leilão do espectro 5G, anteriormente marcado para março deste ano, deve ocorrer no segundo semestre, com possibilidade de ser realizado apenas em 2021. O adiamento foi uma forma encontrada para tentar pensar em estratégias para resolução dos problemas operacionais enfrentados.

Durante a entrevista, Pontes foi questionado sobre a possibilidade de implementação da tecnologia e a posterior resolução de questões técnicas. O ministro respondeu que prefere o adiamento do leilão para garantir que as empresas envolvidas não enfrentem problemas de segurança jurídica.

Fonte: Olhar Digital - 13/01/2020

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Barranco e Pires  |  Rua Ceará, 56 - Vila Rosália - Guarulhos SP  |  Fone 11. 2455 9528